Prefeito sugere que a imprensa faz “fofoca”, mas esconde problemas

Normalmente a imprensa não é muito afeta a líderes, ainda mais se estes não gostam de críticas – sejam elas de qualquer valor – sobre suas ações. Em uma atitude semelhante, Daniel Guerra (PRB) prefeito de Caxias do Sul, diante da publicação dos problemas que a cidade enfrenta retaliou dizendo que a imprensa realiza “fofocas”.

Fala essa foi reportada quando o prefeito anunciava, em entrevista coletiva à imprensa, seus seis meses de governo. Salientou que nesse primeiro semestre foram realizados mutirões odontológicos, contratação de novos médicos, compra e garantia de estoque de medicamentos na rede pública, determinação do cumprimento da carga horária dos servidores médicos e melhorias no Pronto Atendimento 24h, aumento de 368 vagas na educação infantil e compra de mais 1,3 mil vagas, assinatura do decreto que permite aposentadoria às professoras que trabalham em bibliotecas entre outras ações.

No entanto desconversou quanto aos problemas da saúde pública na cidade, culpabilizando os médicos que estão em greve. Reiterou que o vice-prefeito, de acordo com o entendimento do prefeito, “renunciou ao mandato”. Se mostrou também não propenso ao diálogo com aqueles que, segundo ele exercem “a velha política”. Porém a prática de desmerecer o papel da imprensa e culpabilizar os outros é comum de líderes da velha política, que perdem em apoio popular paulatinamente, graças a má gestão exercida.

Também ocorreram críticas quanto a nomeação como secretário de Governo de Luiz Caetano, que até o ano passado era estagiário no gabinete de Guerra quando este era vereador. Questionado pela escolha do novo secretário, Guerra limitou-se a dizer que o nomeado “dispõe de qualificação técnica”, mesmo este sendo graduado em Educação Física e acadêmico de Direito.

Comentários

comentários