LUCIO BERNARDO JR / Agência Câmara

Distritão é mau caratismo dos políticos tradicionais

agosto 15, 2017

por — Postado em Brasil, Partidos

Políticos não querem largar o osso do poder

Quando ouvi pela primeira vez sobre voto distrital fiquei com um pouco de esperança. Acontece que em diversos países da Europa a contagem dos votos para o parlamento é através de voto distrital, onde cada distrito escolhe seus candidatos. Em específico na Alemanha com a voto distrital misto seria o melhor sistema para o Brasil.

Mas como aqui tudo é distorcido para complicar a vida do cidadão o distrital tomou anabolizante e ficou gigante. Se tornou distritão que nada mais é que transformar cada estado em um enorme distrito onde os mais votados vencem as eleições. Ou seja, aqueles candidatos mais conhecidos pelo público irão facilmente ganhar mais votos, impedindo que candidatos com menos expressão acabem se elegendo. Seus apoiadores dizem que isso evitaria o efeito Tiririca, que seria um puxador de votos para um determinado partido. De mesma forma evitaria que outros que não tem tanto “prestígio” entrassem nos parlamentos.

Assim fiz uma análise de quem seriam os deputados federais gaúchos que seriam eleitos em 2014, caso essa regra do distritão estivesse vigente. Primeiro vamos dizer os deputados que estão hoje na Câmara dos Deputados que representam os eleitores do Rio Grande do Sul, lembrando que são 31 deputados.

  • AFONSO HAMM (PP)
  • AFONSO MOTTA (PDT)
  • ALCEU MOREIRA (PMDB)
  • ASSIS MELO (PCdoB)
  • BOHN GASS (PT)
  • CAJAR NARDES (PR)
  • CARLOS GOMES (PRB)
  • COVATTI FILHO (PP)
  • DANRLEI DE DEUS HINTERHOLZ (PSD)
  • DARCÍSIO PERONDI (PMDB)
  • GIOVANI CHERINI (PR)
  • HEITOR SCHUCH (PSB)
  • HENRIQUE FONTANA (PT)
  • JERÔNIMO GOERGEN (PP)
  • JOÃO DERLY (REDE)
  • JONES MARTINS (PMDB)
  • JOSÉ FOGAÇA (PMDB)
  • JOSÉ OTÁVIO GERMANO (PP)
  • JOSE STÉDILE (PSB)
  • LUIS CARLOS HEINZE (PP)
  • MARCO MAIA (PT)
  • MARCON (PT)
  • MARIA DO ROSÁRIO (PT)
  • MAURO PEREIRA (PMDB)
  • ONYX LORENZONI (DEM)
  • PAULO PIMENTA (PT)
  • PEPE VARGAS (PT)
  • POMPEO DE MATTOS (PDT)
  • RENATO MOLLING (PP)
  • SÉRGIO MORAES (PTB)
  • YEDA CRUSIUS (PSDB)

Destes deputados listados vemos que diversos foram eleitos graças ao quociente eleitoral e outros acabaram entrando como suplentes de seus partidos.

Agora vamos a votação relacionar, de acordo com os dados do TSE, os 31 deputados federais gaúchos mais bem votados em 2014. Veja a lista:

NOME PARTIDO PELO QUAL FOI ELEITO VOTOS
LUIS CARLOS HEINZE PP 162462
DANRLEI DE DEUS HINTERHOLZ PSD 158973
ALCEU MOREIRA DA SILVA PMDB 152421
GIOVANI BATISTA FELTES PMDB 151406
ONYX DORNELLES LORENZONI DEM 148302
PAULO ROBERTO SEVERO PIMENTA PT 140868
MARCO AURÉLIO SPALL MAIA PT 133639
JOSÉ ALFONSO EBERT HAMM PP 132202
LUIZ CARLOS GHIORZZI BUSATO PTB 130807
HENRIQUE FONTANA JUNIOR PT 128981
MARIA DO ROSÁRIO NUNES PT 127919
OSMAR GASPARINI TERRA PMDB 120755
NELSON MARCHEZAN JUNIOR PSDB 119375
MÁRCIO DELLA VALLE BIOLCHI PMDB 119190
DIONILSO MATEUS MARCON PT 116178
GIOVANI CHERINI PDT 115294
JERÔNIMO PIZZOLOTTO GOERGEN PP 115173
SÉRGIO IVAN MORAES PTB 115155
LUIS ANTONIO FRANCISCATTO COVATTI PP 115131
DARCISIO PAULO PERONDI PMDB 109864
GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS PT 109469
JOÃO DERLY DE OLIVEIRA NUNES JUNIOR PC do B 106991
JOSÉ ALBERTO FOGAÇA DE MEDEIROS PMDB 103006
RENATO DELMAR MOLLING PP 102770
HEITOR JOSE SCHUCH PSB 101243
ELVINO JOSE BOHN GASS PT 100841
FERNANDO STEPHAN MARRONI PT 94275
RONALDO MIRO ZULKE PT 93926
CARLOS GOMES PRB 92323
DARCI POMPEO DE MATTOS PDT 91849
AFONSO ANTUNES DA MOTTA PDT 90917

Se observa alguma mudança? Praticamente nenhuma. Com exceção dos suplentes e eleitos por quociente eleitoral vemos que praticamente são os mesmos deputados que já estão na Câmara. Também cabe ressaltar que partidos que tem representação não teriam, caso da REDE e do PR.

Em outras palavras, o distritão não irá renovar a política brasileira, pelo contrário. Serão indefinidamente os mesmos políticos de sempre a serem eleitos. Vale lembrar que sistema de eleição para parlamento somente é adotado em dois países: Jordânia e Afeganistão.

Comentários

comentários